13 de jan de 2015

Resenha: "A Seleção", #1


Classificação: 5/5 + ♥
Posição na meta: 1º
Editora: Seguinte
Autor: Kiera Cass
Ano: 2012
Páginas: 368
ISBN: 9788565765015

Para trinta e cinco garotas, a Seleção é a chance de uma vida. Num futuro em que os Estados Unidos deram lugar ao Estado Americano da China e mais recentemente a Illéa, um país jovem com uma sociedade dividida em castas, a competição que reúne moças de dezesseis e vinte anos de todas as partes para decidir quem se casará com o príncipe é a oportunidade de escapar de uma realidade imposta a elas ainda no berço. É a chance de ser alçada de um mundo de possibilidades reduzidas para um mundo de vestidos deslumbrantes e joias valiosas.
De morar em um palácio, conquistar o coração do belo príncipe Maxon e um dia ser a rainha. Para America Singer, no entanto, uma artista da casta Cinco, estar entre as Selecionadas é um pesadelo. Significa deixar para trás Aspen, o rapaz que realmente ama e que está uma casta abaixo dela. Significa abandonar sua família e seu lar para entrar em uma disputa ferrenha por uma coroa que ela não quer. E viver em um palácio sob a ameaça constante de ataques rebeldes. Então America conhece pessoalmente o príncipe. Bondoso, educado, engraçado e muito, muito charmoso, Maxon não é nada do que se poderia esperar. Eles formam uma aliança, e, aos poucos, America começa a refletir sobre tudo o que tinha planejado para si mesma e percebe que a vida com que sempre sonhou talvez não seja nada comparada ao futuro que ela nunca tinha ousado imaginar.


Primeiramente: EU AMEI, AMO E AMAREI SEMPRE ESSA CAPA! ♥ Meu Deus, gente, que ignorância foi essa? Que capa linda foi essa? Escolha mais do que perfeita e acertada da editora Seguinte ter decidido por manter a capa original do livro. Tudo bem que eu ainda espero pelo dia que as editoras brasileiras vão fazer os livros como os EUA, com uma versão de capa dura e tal, mas enquanto isso não acontece, eu posso dizer que a parte gráfica desse livro ficou sensacional. Gente do céu, eu estou apaixonada por esse livro e já coloquei na parte da frente da minha estante só pra ela ficar mais bonita do que já é, hahaha. 

Quanto a parte mais da história, vou dar uma resumidinha aqui pra vocês porque quem lê a sinopse já deve saber mais ou menos o que acontece. Era uma vez (kkk) a nossa linda personagem America, uma menina que já tem idade para participar da Seleção, uma seleção de 35 garotas para escolher uma só, que será a nova princesa de Iléa e consequentemente a namorada/futura esposa de Maxon, o príncipe bonitão. E aí que gente, ela não quer participar da seleção. "Oh meu Deus, que menina maluca, quem hoje em dia não quer ser princesa, blablabla". Sim, pessoas. Ela não quer. Mas, como a sua sociedade é dividida em castas e ela é uma cinco, casta dos artistas - esqueci de mencionar que essa menina canta, toca instrumentos e tudo mais? Pois é, queria ser prendada como ela - e tem pouco dinheiro para sustentar a sua família, ela decide ir. Não que America fosse pobre de marré deci, mas ela só tinha dinheiro pra poucas coisas e o essencial. Porém a nossa querida protagonista é apaixonada por Aspen, um seis que tem menos dinheiro que ela e tem que ralar pra poder sustentar sua mãe e seus irmãos. Triste, né? Pois é. 

Chega de contar da história, né? Bom, sobre a leitura do livro em si... gente, eu não conseguia parar de ler. Não conseguia tirar as minhas mãos do livro e até enquanto eu malhava, eu pensava no horário que eu chegaria em casa para terminar de ler. Li o livro em dois dias e a leitura segue um ritmo super gostoso. Não me cansei em nenhum momento da história, tive vontade de marcar as minhas partes preferidas com vários corações, ai gente. Um amorzinho. 

Algumas coisas que me irritaram um pouco foi essa confusão da America em relação aos seus sentimentos, mas isso é super compreensível, afinal, longe do primeiro amor e de sua família para que um príncipe que ela nunca viu na vida escolhesse sua futura esposa e consequentemente futura rainha de Iléa não deve ser fácil, né? E também a sua falta de competitividade com as outras participantes, mas só as chatas, tá? Hahaha. Eu amei as amizades que ela fez e também algumas candidatas que foram doces, mas sério, as outras são muito, muito chatas. Se alguém fizesse algo pra me prejudicar em uma competição, algo sujo, digamos, eu não iria deixar barato mas nuuuuuuuunca, nunquinha e jamais ficaria sonsa e sem fazer nada a respeito. ANDA, AMERICA, sua sonsa. HAHAHAH. Mentira gente, ela não é sonsa não. 

Algo que me encantou foi a amizade dela com Maxon, de verdade. Eu achava ela super verdadeira e o primeiro encontro deles foi um momento em que eu dei fortes inspiradas e suspiros apaixonados. Não que tenha sido uma coisa mega melosa, mas eu me apaixono e me apego aos detalhes mais naturais e inesperados de uma história. Gosto principalmente quando remetem a alguma coisa mais natural e possível de acontecer. Não que amanhã apareça uma carta me convidando pra participar da Seleção, mas acho que vocês entenderam o que eu quis dizer. 

Um fato que eu lembro que me recordou demais... Eu lembrei muito de Lizzie de "Orgulho e Preconceito", principalmente por causa da ligação entre America e seu pai, além dela ter também uma mãe meio maluca que só pensa em casar suas filhas e que elas arranjem um bom marido, que seja preferencialmente, de uma casta maior que a dela. Não sei se fui a única a perceber esse fundinho do clássico da Jane Austen, mas eu percebi e adorei a sutileza da, sei lá, possível inspiração. 

Encerro aqui mais uma resenha com suspiros de empolgação e paixão pelo próximo livro da trilogia, "A Elite". ♥♥♥


2 comentários:

  1. Gostei muito da sua resenha, acredita que eu nunca li esse livro? Preciso ler ele logo, pois todo mundo diz que ele é ótimo. bjus http://cantinhodacarolll.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Adorei a sua resenha! Eu, infelizmente, não gostei muito desse livro e nem vou continuar a série porque America me irrita demais. Porém, adorei o Maxon e antes de decidir que não iria continuar a série, hesitei porque gostava muito dele. Não tinha notado essa semelhança com Orgulho e Preconceito, mas agora que você citou, eu adorei! O livro até ficou um pouco melhor aos meus olhos agora haha

    Beijos
    http://palavrasdeumlivro.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir